logo
Bem-vindo! Para ver todas as funcionalidades deve Entrar or Registrar.

Notification

Icon
Error

Novo Tópico Publicar Resposta
Opções
Ir para a última participação Ir para o primeiro não lido
admin  
#1 Enviado : terça-feira, 5 de Dezembro de 2017 14:49:09(UTC)
Retweet Citação
admin

Classificação: Administration

Reputação:

Grupos: Administrators
Desde: 13-01-2015(UTC)
Envios: 123

Foi agradecido: 6 vez(es) em 6 post(s)

Dias depois de conhecido o documento de orientação para o futuro da PAC 2020, que refere a tecnologia como uma das prioridades para a agricultura, a MBIA – McDonald’s Business Initiative for Agriculture realizou a III MBIA Talk dedicada ao tema “Como pode o conhecimento levar inovação ao terreno agrícola”.  

Com presença no Altis Belém Hotel, estaedição, que contou com a presença da Secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann, permitiu refletir e concluir que a inovação na agricultura se evidencia como um exigente desafio que necessita de um cruzar dos aspetos tradicionais com os tempos atuais, inovando, proativamente, para liderar.

A preceder o debate de discussão de ideias sobre o setor agrícola, três empreendedores apresentaram a sua empresa/produto a investidores e à plateia, partilhando as suas experiências de negócio, melhores práticas, mas também as exigências de mercado, cultivando, assim, à construção de novos pensamentos.

O modelo de inovação como o garantir de competitividade

A inovação só é, na maioria das vezes, possível quando empresas e academias estão de mãos dadas e transformam o conhecimento em produtos vendáveis que vão ao encontro das expetativas do consumidor. Um exemplo disso é o projeto River Rice Sugar que adapta técnicas ancestrais japonesas à produção de leguminosas tradicionais portuguesas. “Um processo que acaba por criar produtos novos e valor às cadeias que poderão ter ficado saturados ao longo do tempo”, explica Anabela Raymundo, Docente do Instituto Superior de Agronomia e representante do projeto River Rice Sugar.

Isabel Caetano, Administradora da Agência Nacional de Inovação, partilha a mesma ideia e aponta como prioridade para o setor agrícola/agroalimentar “a necessidade de gerar mais oportunidade de inovação”. No debate, moderado por Eduardo Diniz, Diretor Geral do Gabinete de Planeamento e Políticas (GPP) do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Isabel Caetano defendeu a urgência de criar novas formas colaborativas, recordando que “a comunidade científica é global e pode identificar oportunidades não apenas nacionais”. Para além desta ligação, evidencia ainda a necessidade de serem aproveitadas as fontes de financiamento, que acabam por possibilitar uma relação de diálogo e de aproximação entre a academia, que utiliza cada vez mais uma linguagem não fechada, e empresas.

Uma relação que no caso da Nuvifruits, empresa do Grupo Luís Vicente, que tem o seu core na fruta fresca cortada (fruta de 4ª gama) e snacks desidratados, é já uma realidade. Um negócio que exige inovação, por exemplo, ao nível da validade e, sobretudo, da gestão de resíduos. “A gestão dos resíduos, o combate ao desperdício, é um dos maiores desafios do grupo, e que está a ser trabalhado em conjunto com universidades”, evidencia David Mota, Diretor Geral.

Defensor da ideia de que se devem abrir as portas à inovação, David Mota salienta a necessidade urgente de compreender e estudar o mercado, o produto e o consumidor evitando eventuais entraves colocados pelo mercado.

Para João Coimbra, agricultor, “a inovação é uma necessidade para sobreviver nos mercados” e “um meio para atingir uma agricultura mais sustentável, sobretudo ao nível económico e ambiental”. Por isso, sublinha, “a inovação passa por aumentar rentabilidade, produzir mais com menos e garantir qualidade e acessibilidade aos alimentos. Isto sem esquecer que atualmente é possível trocar informação com todo o mundo”.

Se a estes ingredientes juntarmos o modelo de cooperativa é possível atingir uma fórmula mais robusta de trabalho, “com ferramentas para enfrentar os mercados de forma mais sustentável, mais inovadora e menos conservadora”, recorda. Para o futuro, João Coimbra defende “cadernos de encargos com preocupações de carbono reduzidas, comércio local e produção nacional, a par de uma maior proativo para liderar e não apenas seguir tendências”. 

Para a McDonald’s, a III MBIA Talk sublinha o compromisso na promoção e desenvolvimento do setor agrícola em Portugal. “Um compromisso assumido aquando do lançamento da MBIA – McDonald’s Business Initiative for Agriculture e que se traduz num conjunto de ações concretizadas sempre com o apoio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e dos nossos parceiros fundadores: AICEP, ANJE, CAP e COTEC”, refere André Santos, Gestor da Qualidade da McDonald’s Portugal.

Editado por utilizador terça-feira, 5 de Dezembro de 2017 14:49:59(UTC)  | Motivo: Não especificado

Usuários visualizando este tópico
Novo Tópico Publicar Resposta
Ir para o Fórum  
Você pode adicionar novos tópicos neste fórum.
Você pode responder a tópicos deste fórum.
Você pode excluir suas participações deste fórum.
Você pode editar suas participações neste fórum.
Você não pode criar enquetes neste fórum.
Você pode votar em enquetes neste fórum.